Testes de covid usados pela prefeitura de Varre-Sai são colocados em xeque

Varre-Sai, tem se destacado como o detentor do maior número de casos positivos do coronavírus na Região Noroeste Fluminense entre todos os 13 municípios, quando avaliada a relação de contágio/mil habitantes (613 casos até esta terça, 08). No entanto, a situação de um servidor público fez acender a luz de alerta, principalmente sobre a qualidade e confiabilidade dos testes aplicados pela prefeitura local, usados na detecção da doença.  De acordo com Walter Antônio de Oliveira Viera, de 48 anos, ele teria se dirigido até o Centro de Triagem Municipal em 01/09, onde realizou a testagem através do sistema rápido IGM/IGG, que retornou reagente, ou seja, positivo para o vírus.

No dia seguinte, procurou o laboratório particular Kashima de Guaçuí (ES), onde para sua surpresa, o laudo apontou negativo (não reagente), nos dois quesitos. Intrigado, como revela ao jornalismo da Rádio Natividade, apelou a terceira testagem também particular, desta vez com material enviado em 03/09 ao Laboratório Hermes Pardini, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, que atestou que todos os parâmetros também eram negativos. Ainda segundo ele, pelo menos dois outros casos semelhantes também foram detectados em pessoas ligadas a sua família (a emissora também recebeu as cópias dos laudos).

Enquanto este artigo era produzido, outra moradora, Dayane Mariano, voltou a colocar em xeque os kits usados pelo município, relevando situação semelhante vivida pelo irmão, Darlan José Mariano, de 25.

– Algumas semanas atrás meu irmão teve sintomas de covid, então ele procurou o centro de triagem realizou uma coleta de sangue para exame, no outro dia tivemos o resultado positivo para covid. Até aí tudo bem, porém decidimos fazer outro exame em um laboratório particular de nossa cidade e o exame testou negativo. Ele na incerteza se estava ou não com covid procurou um laboratório em outra cidade e refez a coleta de sangue para mais um exame e mais uma vez negativo. Meu irmão foi até o médico da triagem conversar para ter algum esclarecimento e pedir a alta, já que ele tinha que voltar as atividades normais do dia a dia. O médico, que além de tudo foi muito educado e prestativo, pediu para refazer outro exame na triagem. E ele fez e no mesmo dia saiu o resultado e a enfermeira ainda me informou que foi feito em um teste diferente dando assim também o resultado de positivo! Agora eu pergunto: porque somente os da triagem dando positivo e os particulares, negativo? Quantas outras pessoas também não estão acontecendo isso? Afinal de contas tem ou não covid?,  – questiona Dayane.

Em documento protocolado nesta terça-feira (08), o servidor dirige diversos questionamentos e solicitar cópias de documentos ao prefeito da cidade. A prefeitura, por sua vez, publicou nota sobre o caso. Leia:

O SARS-CoV-2 intitulado como COVID-19 é um vírus da família do coronavírus sendo responsável pelo grande número de casos da doença no mundo e no Brasil que vem assolando a população e os municípios do interior que não recebem recursos a mais por número de pessoas diagnosticadas com a doença e nem com os óbitos decorrentes do vírus. Os testes de diagnósticos disponibilizados para o atendimento e a detecção da doença nos indivíduos são:

1- O PCR em tempo real (RT PCR) é considerado o teste padrão ouro. Esse exame é realizado pela metodologia de biologia molecular, que detecta o RNA do vírus SARS-CoV-2, sendo o teste de escolha para o diagnóstico de pacientes sintomáticos na fase aguda, a partir do 3º dia  de sintomas. Apresenta uma sensibilidade diagnóstica próximo dos 90%, se a amostra for bem colhida, transportada e armazenada até o seu processamento no laboratório clínico. Esse teste pode negativar a partir do 12º dia do início dos sintomas.

2- Os testes imunológicos, que fazem a pesquisa de anticorpos, incluem tanto os testes rápidos como os de sorologia, são baseados na resposta de anticorpos produzidos pelo organismo frente à infecção pelo coronavírus.

O teste rápido é o mais conhecido, realizado pela metodologia de imunocromatografia, em que são pesquisados os anticorpos da classe IgG e IgM.     A partir, em média, do 7º dia do início dos sintomas, aparece o IgM, seguido pela elevação dos níveis de IgG.

O teste em uso pela Secretaria de Saúde de Varre-Sai é da Fabricante Beijing Medical Technology Co., Ltd e distribuído por Renova Medical  Industria e Comercio de Produtos Médicos Hospitalares LTDA com registro na ANVISA: 81747770017.

Para a realização dos testes rápidos, são seguidos vários critérios padronizados pelo fabricante do teste, visando garantir o máximo de confiabilidade nos resultados fornecidos pelo Laboratório de Análises Clínicas.

Os testes rápidos dos diversos fabricantes podem ser realizados com amostras de soro, plasma ou sangue total. Porém, o fabricante da LEPU TECHNOLOGY orienta que devem ser utilizados prioritariamente amostras de soro ou plasma.

O especialista em patologia Clínica, o médico Carlos Eduardo dos Santos Ferreira, presidente da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica, em entrevista concedida ao Jornal Correio Braziliense publicada em 03/06/2020 diz que a estratégia de testagem é fundamental para combater a Covid-19 e ressalta que:

“Um boa alternativa para melhorar o desempenho destes testes rápidos é a utilização de amostras de soro (o sangue precisa ser centrifugado para separação desta amostra) ao invés do sangue da ponta do dedo).”

Sendo assim, e desde o início da realização de testes rápidos pelo município de Varre-Sai que data de 03/05/2020 com o primeiro teste realizado em paciente, o laboratório preconiza a utilização de sorologia para realização dos testes rápidos.  O sangue coletado é o sangue venoso e é centrifugado para retirar o soro e proceder com a execução do teste.

Em matéria publicada pela Folha de Pernambuco em 22/05/2020 fala que:

“A sensibilidade indica o nível de precisão do teste e, quanto mais alta for, menor a taxa de falsos negativos. Já a especificidade elevada aponta quão específico é o teste para detecção de anticorpos contra o Sars-CoV-2, e não a outros vírus respiratórios.” Nessa mesma matéria relata que a  sensibilidade de determinados testes depende do período em que for realizado, e só atinge 100%, se feita a partir do 14º dia após o contágio. Antes disso, entre o 1º e o 6º dia, a sensibilidade é de apenas 65,5%, e entre o 7º e o 13º dia, 88,1%.

O fabricante da LEPU TECHNOLOGY, segundo informações contidas na bula do kit, diz que o teste rápido apresenta 98,9% de Sensibilidade e 97,6% de Especificidade de Diagnóstico nos resultados.

A partir disso, podemos inferir que o resultado do teste depende de vários fatores como qual teste utilizado, a metodologia a ser seguida bem como o material a ser utilizado, como soro, plasma ou sangue total e ainda dependendo do tempo de contágio/sintomas do paciente a ser testado.

Da redação da Rádio Natividade

TESTE REALIZADO POR WALTER EM VARRE-SAI : Positivo

TESTE REALIZADO EM GUAÇUI: Negativo

TESTE REALIZADO ENVIADO AO HERMES PARDINI: Negativo

TESTE DE DARLAN EM VARRE-SAI: Positivo

TESTE DE DARLAN REALIZADO EM OUTRO LABORATÓRIO: Negativo