Home / ENTREVISTAS / Mães reclamam de transporte; PM recupera material furtado em Varre-Sai e campanha dos Vicentinos – ASSISTA AO VÍDEO

Mães reclamam de transporte; PM recupera material furtado em Varre-Sai e campanha dos Vicentinos – ASSISTA AO VÍDEO

No vídeo de hoje, o jornalista Vanderson Garcia, abordar alguns temas que foram destaque nesta quarta-feira (12), entre os quais, a campanha de alimentos lançada pelos Vicentinos, reclamação de mães do Cruzeiro, zona rural de Natividade, que se queixam do transporte escolar, além de mais informações sobre a recuperação de objetos que haviam sido furtados de Igreja de Varre-Sai. VEJA:

 

SOBRE A RECLAMAÇÃO DO TRANSPORTE, SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO PRESTA ESCLARECIMENTOS:

Através de nota enviada à Rádio Natividade, a secretária de educação, Paula Ferreira, esclareceu pontos da reclamação das mães da cominidade do Cruzeiro de Cima, ouvidas na reportagem. Leia:

“ Duas delas estiveram na secretaria hoje e a exigência é a seguinte: um transporte exclusivo para as mães da creche.

Acontece o seguinte: As crianças de até 4 anos de idade tem o direito de serem acompanhadas pelas mães, então os motoristas conduzem as mães juntamente com as crianças para a creche, onde entregam seus filhos para um responsável e retornam para o ônibus sem a criança e são conduzidas de volta para casa (o que não considero obrigação, talvez equivocadamente).

O motorista precisa atender as demais crianças que estão no veículo a fim de que cheguem nas escolas centrais dentro do horário correto, portanto foi estabelecida a tolerância de 5 minutos para que as mães deixem seus filhos na creche. Acontece que esses 5 minutos se transformam em 15, 20 ou até meia hora de permanência das mães na creche, o que causa um grande atraso e transtorno para as linhas.

Se há atraso de funcionários na escola ou se as mães estão sendo abordadas naquele horário inapropriado para tratar de qualquer assunto, essas situações serão apuradas e solucionadas, mas um transporte exclusivo para mães é totalmente inviável e até onde sei, não existe respaldo legal para tanto, como afirmam ser um “direito”.

Temos aproximadamente 1660 alunos na rede e todos têm mães que enfrentam dificuldades em manter os filhos na escola. Sinceramente gostaria de atender a todas, inclusive aquelas que não tem permissão para acompanhar os filhos, mas não podemos assumir uma atribuição sem ter condições para tal.

Aproveito a oportunidade para informar que os motoristas e monitores são profissionais dedicados e fazem o melhor pelas crianças. Reclamações são registradas e apuradas, e havendo veracidade, providências são tomadas sempre.

Vale ressaltar que esta foi a primeira vez que recebi uma mãe da comunidade, e não pedidos constantes como afirmado na entrevista. Todas as visitas que recebo registro em ata.

Como dito na matéria, haverá uma reunião na próxima semana, na qual espero solucionar definitivamente o problema, dentro da legalidade e das possibilidades”.