Home / DESTAQUE / Polícia Civil elucida caso do homem encontrado morto na zona rural de Varre-Sai

Polícia Civil elucida caso do homem encontrado morto na zona rural de Varre-Sai

A 140ª Delegacia de Natividade em conjunto com sua equivalente no estado de Minas Gerais, elucidou o caso do latrocínio do comerciário Vilmar Dornelas Moura, de  35 anos, cujo corpo foi encontrado com marcas profundas de golpes de faca, dentro de uma vala, nas proximidades da comunidade da Prata, zona rural de Varre-Sai na manhã do último sábado (02).

De acordo com fontes ouvidas pelo jornalismo da Rádio Natividade, dois rapazes, entre os quais um menor, estão sendo apontados como autores do crime, que aconteceu no município de Espera Feliz, onde todos eles moravam. A motivação do crime, seria dívida com programas sexuais.

Ainda segundo esta mesma fonte, logo depois da localização do cadáver, a equipe fluminense, comandada pelo delegado Gésner César Bruno seguiu para Espera Feliz, onde junto com os agentes da delegacia local, começaram a refazer os últimos passos da vítima e descobriram, que na noite anterior á sua morte, ele teria saído de casa com certa quantia em dinheiro (havia recebido salário e 13º), dirigindo seu próprio veículo e se encontrado com a dupla, com quem eventualmente supostamente se relacionava homossexualmente.

Após diligências, o menor ainda na segunda-feira, confessou sua participação, acrescentando que o comerciário teria sido morto na zona rural de Espera Feliz e o corpo, apenas “desovado” em Varre-Sai. A partir daí, a equipe passou a buscar o outro elemento apontado pelo adolescente durante depoimento, o localizando nesta sexta-feira (08). Ele prestou depoimento pela manhã e confirmou parte da versão inicial.

Aos investigadores, ele acrescentou que não tinha a intenção de matar Vilmar, mas pelo fato de ele (vítima), lhe dever dinheiro por conta de programas homossexuais, passou a cobra-lo o que culminou em briga naquela mesma madrugada. Em dado momento, o rapaz lhe atingiu com vários golpes de faca até a morte. A partir daí, seguiram até Varre-Sai, onde deixaram o corpo e fugiram com o dinheiro e o carro.

Pelo fato de o crime ter sido concretizado ainda em solo mineiro, o inquérito a partir de agora, passa para a esfera da Polícia Civil daquele estado, que deverá pedir a prisão/apreensão dos envolvidos. Como não houve flagrante, ambos permanecem em liberdade.

– A atuação dos colegas da Polícia Civil de Espera Feliz, em especial a delegada Dra. Paula e o detetive Rogério Ribeiro, foi fundamental na elucidação do caso, cuja a 140ª DP, apenas iniciou as investigações. Tão logo obteve-se êxito, descobrindo que o crime ocorreu no município de Espera Feliz, o inquérito foi para lá transferido. Mesmo antes de identificarmos o local do crime, a solução só foi possível graças ao empenho da equipe da Delegacia de Polícia de Espera Feliz,- destacou Gésner.

Através de nota, a Polícia Civil de Espera Feliz, se manifestou sobre o desfecho do caso. Leia:

Na tarde do dia 02/12, o cidadão Neimar Dornelas Moura entrou em contato com policiais civis de Espera Feliz, informando que o corpo de seu irmão Vilmar Dornelas Moura havia sido encontrado na zona rural de Varre-Sai, Estado do Rio de Janeiro, com diversos ferimentos causados por objeto perfurocortante. Imediatamente os policiais civis iniciaram as investigações visando a apuração do crime, sem ainda ter sido constatado o local onde o crime ocorreu. É regra que as investigações sejam realizadas por policiais do município que ocorreu o crime.

Em 03/12, por volta das 12:00 h, constatou-se uma conversa da vítima com um menor pelo Facebook, na qual tinha sido marcado o local de encontro no morro da igreja matriz desta cidade. Essa conversa foi importante para as investigações, uma vez que tal menor foi o responsável por retirar a vítima de casa, passando a ser um suspeito. Em 04/12 o menor foi localizado e conduzido até a Delegacia de Polícia de Espera Feliz, na companhia de sua mãe, onde foi entrevistado, momento que prestou declarações para policiais civis de Natividade/RJ, sendo que no dia seguinte, ao ser novamente entrevistado por policiais civis de Espera Feliz, disse ter mentido para os policiais e que iria dar novas informações, dessa vez, verdadeiras.

O menor contou que encontrou-se com a vitima no morro da igreja matriz, sendo que ela estava no veículo de sua propriedade, tendo se dirigido para local ermo, nesta cidade, onde chegou seu comparsa (maior de 18 anos), e que este anunciou o assalto e em seguida passou a desferir golpes com um canivete contra a vítima VILMAR DORNELAS MOURA, causando sua morte. Após tais fatos a vítima foi colocada no porta-malas de seu próprio veículo pelos autores e seu corpo foi deixado na zona rural de Varre-Sai/RJ, onde foi localizado. Os autores se dirigiram para a cidade de Cachoeiro de Itapemirim/ES, onde trocaram o carro da vítima por motos e retornaram a esta cidade.

Foram realizados os trabalhos de perícia no local e no corpo da vítima pela Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro e liberado para sepultamento. O celular da vítima foi apreendido em poder do menor e o veículo ainda não foi localizado. As motocicletas que os autores adquiriram na barganha do carro da vítima foram apreendidas. As investigações continuarão sendo realizadas com a finalidade de esclarecer cada detalhe do crime e o inquérito policial será remetido à justiça em breve. Os nomes do autor e do menor infrator e suas imagens  não serão divulgados à imprensa. A Polícia Civil de Espera Feliz está trabalhando com ética, seriedade e compromisso com a população, dando a resposta satisfatória a todos os cidadãos, principalmente aos familiares enlutados.”

Rogério Ribeiro – Investigador de Polícia – Espera Feliz/MG.

 

Da redação da Rádio Natividade – Foto: Jornalismo/Rádio Natividade

Agentes da 140ª DP/Natividade autuaram sob o comando do delegado Gésner César Bruno, que por várias vezes esteve com sua equipe em Espera Feliz (MG), onde se deu os fatos – Índice de elucidação de homicídio beira os 100% na distrital

Homem encontrado morto na zona rural de Varre-Sai pode ter sido vítima de latrocínio