Home / NATIVIDADE AGORA / Alunos protestam contra decisão da Prefeitura de Natividade de suspender o transporte universitário gratuito

Alunos protestam contra decisão da Prefeitura de Natividade de suspender o transporte universitário gratuito

Desde esta segunda-feira (06), reinício do ano letivo, a Prefeitura de Natividade, não mais arcará com a totalidade dos custos do transporte aniversário. A decisão foi confirmada pela secretária de educação Paula Ferreira, que falou sobre o tema em entrevista à Rádio Natividade.

De acordo com ela, o momento complicado pelo qual passa as finanças públicas locais, não mais permite a manutenção do benefício, instituído há alguns anos atrás, mesmo não sendo esta, uma obrigação constitucional. Uma associação de alunos foi fundada e passará a partir de agora, a gerenciar o transporte em modalidade de coparticipação com poder público, que repassará um valor mensal para a instituição e os universitários cobrirão o restante. A entrevista completa irá ao ar nesta terça-feira (07), a partir das 9h.

– É uma decisão politicamente difícil e impopular, mas que tem de ser tomada! Não existe a obrigatoriedade de a prefeitura arcar com este transporte, como também não é proibido, mas desde que não prejudique ao serviço de educação básica, nossa prioridade. Só que está havendo este prejuízo, já que os ônibus não param e não há tempo sequer para a manutenção, gerando um desgaste muito grande da frota, – disse.

A previsão é que o novo modelo passe a funcionar em cerca de 30 dias e até lá, empresas particulares deverão oferecer transporte ao custo de R$ 10 por dia. A notícia pegou muitos de surpresa, que principalmente através das redes sociais, protestaram contra a decisão.

– Muitos alunos ficarão sem estudar, pois não tem condições de pagar este valor de passagem. Aliás, pouquíssimos frequentarão este mês. Acho uma covardia com o mais humilde! Fomos pegos de surpresa e acho que a prefeitura, deveria ter nos dado um tempo até que as coisas se acertassem, até que essa associação passe a funcionar mesmo. Enquanto isso, o que vamos fazer? Fomos abandonados à própria sorte, – disse uma das estudantes, que pediu para o nome não ser revelado.

Ouça os esclarecimentos da secretária sobre o tema: